Hugo Calderano - "Fisicamente eu sou um dos mais Fortes e mais Rápidos do Circuito Mundial do Tênis de Mesa

O mesa-tenista Hugo Calderano, sétimo colocado no ranking mundial da modalidade, embarcará para Tóquio nos próximos dias confiante de que pode trazer para o Brasil a primeira medalha olímpica do país no tênis de mesa. Ouro no Pan de Lima, em 2019, o brasileiro vê entre 10 e 12 atletas na briga com com os chineses pelo pódio – a China é a grande potência do esporte, com 28 das 32 medalhas na história dos Jogos

Hugo Calderano - Brasil - Foto: ITTF

— Meu objetivo é ganhar uma medalha. Vários atletas estão brigando com eles (os chineses), e acho que, com a minha preparação, vou chegar bem nessa briga — afirmou em entrevista coletiva nesta terça-feira (6).

Calderano se disse recuperado da lesão sofrida no ombro que o fez voltar da Alemanha em maio deste ano. Avalia que o período de volta ao país o ajudou, especialmente na parte mental, já que estava na Europa desde 2020. 

— Atrapalhou um pouco minha preparação, mas pude ver minha família que eu não via há um ano e meio. Então teve uma parte positiva para o psicológico. Já estou bem fisicamente, sem nenhuma dor, conseguindo treinar bom intensidade e qualidade — declarou. 

O brasileiro falou sobre as diferenças de investimento na comparação com os países asiáticos, especialmente China e Japão. 

— Muitas vezes (nas competições) eles têm mais técnicos do que atletas na delegação. Com sparring, fisioterapeuta, toda uma estrutura. E essa não é a realidade do Brasil, então isso enfatiza ainda mais nossa chegada entre os melhores do mundo — defendeu. 

Cabeça de chave, Calderano não deve cruzar com nenhum chinês no torneio até as semifinais. Ele vê vantagens, mas defende que nos Jogos é importante entrar concentrado desde o primeiro saque, pois todo adversário pode ser perigoso. Para subir ao pódio, ele aposta em dois fatores: sua parte física e mental.

— Eles (chineses) são realmente superiores na parte técnica, isso não tenho dúvida. Minha técnica melhorou bastante, mas eles são superiores. É justamente pela parte mental que sinto que consigo competir. Se tivermos uma abordagem mais técnica, fica difícil, eles têm um conhecimento e uma tradição muito grande — afirmou. — Nunca pensei que os chineses são imbatíveis. Principalmente com meu estilo de jogo bem agressivo. Acho que no mundo não tem ninguém com o estilo como o meu, sempre bem agressivo. Fisicamente eu sou um dos mais fortes e mais rápidos do circuito — finalizou.

Crédito: Gaucha ZH

Comentários

Total de visualizações da página

eBook

Tênis de Mesa Gran São João

Postagens mais visitadas dos últimos 30 dias

Luiza Dalfré do Gran São João na Liga Nipo Brasileira de Tênis de Mesa

Tênis de Mesa Limeira