Hugo Calderano volta aos Treinos de Tênis de Mesa na Alemanha

Com o fim da quarentena na pequena cidade alemã de Ochsenhausen, mesa-tenista brasileiro retorna aos treinamentos: "Já voltei à minha forma, me sentindo muito bem".



Morar em uma cidade pequena, de 8 mil habitantes, no sul da Alemanha, tem suas vantagens. Se não tem cinema nem shopping center, também não tem aglomeração. E se está na Alemanha também já não está em quarentena. Assim, o brasileiro Hugo Calderano pode, inclusive, voltar a frequentar o clube e treinar tênis de mesa. Essa volta à rotina quase normal, porque os cuidados com o coronavírus ainda existem, é algo que pode ajudar o número 6 do ranking mundial inclusive na preparação para os Jogos Olímpicos de Tóquio, adiados para o ano que vem, pois boa parte dos atletas ao redor do mundo seguem em confinamento.

- A gente teve bastante sorte aqui na Alemanha e em Ochsenhausen. Na Europa, poucos atletas conseguem treinar realmente bem. Agora está voltando aos poucos mas muitos não estão conseguindo treinar. Pode ser uma vantagem que a gente está tendo aqui, em relação principalmente a outros atletas da Europa. Na Ásia eu não tenho tanta certeza. Os chineses estavam no Qatar no início da quarentena, estavam treinando lá com grande parte da equipe principal. E acho que quando eles voltaram para a China já estavam conseguindo treinar e não pararam muito. Vi alguns vídeos da seleção da Coreia do Sul e acho que o Japão também, e eles estava conseguindo treinar, não sei se no período inteiro ou se ficaram uma parte em quarentena. Não sei exatamente. Mas a minha situação é boa, dá para aproveitar bastante esse tempo de treinamento que estou tendo agora – explica Calderano. 

- A sensação é muito boa de voltar para a mesa, voltar a fazer mais atividades físicas. A rotina é quase que normal. A gente tá tomando nossos cuidados. O máximo cinco pessoas ao mesmo tempo no ginásio. A gente tá com um grupo bem pequeno ainda de treino, mas já conseguimos treinar igual a antes. Foi uma sensação muito boa. Já estamos treinando há um mês, já voltei a minha forma, já estou me sentindo muito bem já. Bem tecnicamente e fisicamente. O tempo não foi tão longo quanto poderia ter sido. A gente teve sorte aqui na Alemanha. A Alemanha fez um trabalho muito bom controlando o vírus - afirma Calderano, de 23 anos.

Em Bade-Vurtemberga, estado onde fica a cidade onde mora o mesa-tenista carioca, foram registradas até esta sexta-feira 1.628 mortes por Covid-19. Na Alemanha toda, 175 mil casos e 7.933 mortes. No Brasil, até sexta, são 207 mil casos e 14.131 mortes.

- No momento só tem um grupo de treinamento aqui, somos quatro atletas e um treinador. O resto está tudo em seus respectivos países, não sei se alguns estão treinando, outros não. A gente só vai de casa para o ginásio, não tem contato com as outras pessoas. Não dá para treinar de máscara. A gente tenta não ficar muito próximo. E a cidade também é bem pequena. As coisas estão mais normalizadas aqui na Alemanha - completou.

O brasileiro está em Ochsenhausen desde 2014 e já tem contrato renovado com o clube, um dos principais da Europa, até 2021. Apesar do retorno aos treinos, porém, os campeonatos ainda não tem data para serem disputados. O Campeonato Alemão deve ser o primeiro a retornar. Assim como já vai acontecer com a Bundesliga de futebol neste próximo fim de semana.

- A Bundesliga cancelou a última rodada, mas não afetou os playoffs. As quatro equipes já classificadas estão planejando e confiantes que vão fazer semifinal e final. Devem fazer isso do meio para o final de junho. Devem terminar a Bundesliga. Sem espectadores. E vão mudar o sistema: nos nossos jogos são quatro jogos individuais e, se empatar 2 a 2, tem um quinto jogo de duplas. Vão mudar isso. Não vai mais ter duplas. O quinto jogo vai ser individual para ter menos contato ainda. Está todo mundo confiante que a gente vai conseguir jogar. Vai ser bom para todo mundo, não só para a gente mas também para os fãs, que devem estar querendo assistir jogos oficiais de todos os esportes - explica o brasileiro.

Crédito: Globo Esporte

Comentários

Arquivo

Mostrar mais